AcontecimentosCidadesNoticiasRedenção

REDENÇÃO: Sindicato Rural, produtores e autoridades discutiram queimadas na região

A classe produtora é mais afetada com as queimadas

Com objetivo de conscientizar para evitar queimadas, o Sindicato Rural de Redenção, Bannach, Pau D’Arco e Cumaru do Norte, realizou na tarde da ultima segunda-feira (30), uma reunião ampliada, para discutir o assunto. O encontro aconteceu no auditório do Parque de Exposições Pantaleão Lourenço Ferreira.

Walteir Rezende explicou que os pecuaristas da região são os que mais sofrem o impacto com as queimadas. “O fogo desordenado sempre entra na propriedade de forma acidental. Além dos prejuízos com o fogo, estas propriedades ainda sofrem embargos por parte do IBAMA e SEMMA, e o tempo para o desembargo é muito grande devido o acúmulo de processos. Isso representa um grande prejuízo para economia da região, pois a produção dessas fazendas fica proibida de ser comercializada”, explicou Walteir.

Os produtores pediram aos secretários municipais e agentes de fiscalização que pondere no sentido que diminuir os embargos, pois nem sempre é cabível a punição. O secretário de Meio Ambiente de Redenção, Aristóteles Alves, disse que nem sempre o fogo é provocado por pessoas. Ele explicou que pedras e metais, com a própria temperatura também são geradores de faíscas que muitas vezes dão início a focos de incêndios. Aristóteles também apresentou relatório com números de focos em Redenção.

A reunião contou com a participação dos secretários de Meio Ambiente de Cumaru do Norte, Redenção, Tucumã, Floresta do Araguaia e Santa Maria das Barreiras, além do coordenador regional da Secretarial Estadual de Meio Ambiente. Participaram ainda da reunião, o representante do Exército, tenente Garcia e do Corpo de Bombeiros, major Catuaba.
Walteir Rezende, disse que a reunião atingiu o resultado, e que já ficou agendada para fevereiro de 2020 a realização de um próximo encontro para discutir medidas preventivas. “Vamos cumprir as normas e buscar a defesa da classe produtora junto aos órgãos de fiscalização”, disse Walteir.

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar