NoticiasPolícia

MPF denuncia que Segup e PM não estão colaborando com ações de combate ao desmatamento no Pará

O Ministério Público Federal afirma que em pelo menos sete ocasiões, o Ibama solicitou apoio da PM do Pará e recebeu respostas negativas

O Ministério Público Federal (MPF) afirma que os órgãos de segurança pública do Estado não estão colaborando com operações de combate ao desmatamento. De acordo com a denúncia levada à Justiça Federal, mesmo após uma recomendação e tentativas de solução negociada, a Secretaria de Segurança Pública (Segup) e a Polícia Militar (PM) do Pará se recusaram a ajudar nas ações realizadas pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama).
A afirmação é resultado de investigações iniciadas pelo MPF em agosto passado. No processo, é pedido que o Ibama e as autoridades paraenses sejam obrigadas a trabalhar em conjunto e promovam fiscalizações periódicas para combater a degradação ambiental no estado.
Na apuração, o MPF confirmou que, em pelo menos sete ocasiões, o Ibama solicitou apoio da PM do Pará e recebeu respostas negativas, com a justificativa de que não havia “amparo legal” para a participação de policiais na fiscalização ambiental. A denúncia dá conta que a situação se repetia em todo o estado mesmo em áreas críticas de devastação ambiental, como as regiões de Altamira e Novo Progresso.
O MPF afirma ainda, que promoveu uma reunião com a Segup e a PM e enviou uma recomendação para que fossem concedidas as autorizações de apoio, mas as autoridades estaduais permaneceram inflexíveis.
Na recomendação, o MPF esclareceu que existe previsão legal e que não são necessários convênios para que o apoio seja assegurado. O MPF ressalta que a proteção do meio ambiente é uma competência constitucional comum de todos os entes federativos, União, estados e municípios e que existe uma lei complementar fixando normas para a cooperação em ações administrativas para proteção de paisagens naturais notáveis, proteção ambiental, combate à poluição em qualquer de suas formas e preservação das florestas, da fauna e da flora (Lei Complementar 140/2011).

INVESTIGAÇÃO: A investigação do MPF começou após denúncias na imprensa de que a presença de policiais militares não estava sendo autorizada em operações de fiscalização do Ibama contra crimes ambientais.
O MPF afirma que o Ibama confirmou que não havia mais suporte da PM do Pará e que o motivo era o entendimento de falta de amparo legal. O órgão recebeu ofícios da PM em que o apoio era expressamente recusado por falta de amparo legal e pela necessidade de um convênio de cooperação.
A conclusão do MPF é de que não existe o apoio desde maio de 2019. Para o MPF, eventos como o “dia do fogo” poderiam ter sido minorados ou até mesmo evitados, bem como as taxas de desmatamento poderiam não ter subido tanto quanto subiram. Com informações
do MPF

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar