ACONTECIMENTOSCovid-19CPIPará

HELDER BARBALHO SERÁ CONVOCADO A DEPOR NA CPI DO COVID NO SENADO

Requerimento protocolado pelo senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) destaca necessidade de apurar fraude na compra de respiradores pulmonares pelo Governo do Pará

Plenário da CPI do Covid no Senado, Helder Barbalho deverá depor nas próximas fases da CPI que ouvirá Governadores | Foto Reprodução Senado

Os senadores que compõem a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid aprovaram nesta quarta-feira (26) requerimento para convocar nove governadores, dentre eles o do Pará, Helder Barbalho (MDB). A lista de convocados foi decidida após a primeira reunião secreta entre os membros da comissão, que durou cerca de duas horas. Em seguida, o presidente da comissão Omar Aziz (PSD-AM) afirmou que foram convocados os governadores de estados onde houve operações da Polícia Federal.

Além do governador paraense, estão na lista de convocação: Wilson Lima (AM), Ibaneis Rocha (DF), Mauro Carlesse (TO), Carlos Moises (SC), Antonio Oliverio Garcia de Almeida (RR), Waldez Góes (AP) e Marcos José Rocha dos Santos (RO). Também foi convocado o ex-governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel.

O requerimento de convocação do governador Helder Barbalho, foi protocolado pelo senador governista Alessandro Vieira (Cidadania-SE). Na sua justificativa, ele alega que é necessário “esclarecer os detalhes da operação ‘Para Bellum’, realizada pela Polícia Federal para apurar a existência de fraude na compra de respiradores pulmonares pelo Governo do Pará, mediante contrato por dispensa de licitação”. A reportagem solicitou um posicionamento do Governo do Pará sobre a convocação, mas não teve retorno até o fechamento da matéria.

Os senadores governistas, como Eduardo Girão (Podemos-CE) e Marcos Rogério (DEM-RO), tentaram convocar mais governadores, como João Doria (PSDB), de São Paulo. No entanto, o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE), defendeu uma lista mais enxuta. Na visão do governo, a convocação de muitos governadores resultaria inevitavelmente na prorrogação da CPI, o que não interessa ao Palácio do Planalto.

Notícias relacionadas

Botão Voltar ao topo