Coronavírus

Cientistas de Hong Kong reportam primeiro caso confirmado de reinfecção da Covid-19 no mundo

Cientistas de Hong Kong relataram, nesta segunda-feira (24), o primeiro caso confirmado de reinfecção pelo novo coronavírus, cinco meses após a o decreto de pandemia pela Organização Mundial de Saúde (OMS), segundo reportagem da Bloomberg. A descoberta foi pubilcada em um artigo no periódico “Clinical Infectious Diseases” e refere-se a um paciente de 33 anos que contraiu a Covid-19 em abril e testou positivo para o Sars-CoV-2 neste mês. De acordo com os pesquisadores, a dupla infecção teria ocorrido por duas linhagens diferentes do vírus.

O homem, que volta de uma viagem à Espanha, foi testado no próprio aeroporto e não tinha sintomas. Para os especialistas, esse poderia ser um indício de que no caso de uma reinfecção os sintomas são mais leves. Segundo o sequenciamento genético estudado pelos cientistas, o paciente teria contraído a linhagem que circulou pela Europa entre julho e agosto.

“Nossa descoberta sugere que o Sars-CoV-2 pode persistir no organismo humano”, escreveu Kwok-Yong Yuen, líder da pesquisa.

Os pesquisadores confirmaram, por e-mail, que este é o primeiro caso de um paciente recuperado da Covid-19 a testar positivo para o Sars-CoV-2. O caso levanta novas dúvidas sobre a duração da imunidade da Covid-19.

“Antes desse artigo, muitos acreditavam que pacientes recuperados teriam imunidade contra reinfecções, mas agora temos evidências de que alguns deles tenham uma baixa no nível de anticorpos, após alguns meses”, afirmaram os cientistas da universidade chinesa em um comunicado.

O artigo reforça ainda a ideia de que o coronavírus continuaria circulando “mesmo que os pacientes tenham adquirido imunidade por contágio ou vacinação”. Desde o início da pandemia, vários pacientes testaram positivo para o Sars-CoV-2, ao longo de várias semanas, após o fim do período de incubação. Os pesquisadores ainda não conseguiram entender como esse fenômeno acontece e de que forma ele é provocado: por traços remanescentes do vírus, por uma nova manifestação da infecção anterior ou por uma reinfecção.

Fonte: extra.globo

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar