Conceição do Araguaia

IFPA: Projeto de extensão contribui com o desenvolvimento da agrobiodiversidade de Conceição do Araguaia

Ver o quintal não apenas como unidade de produção, mas como diversão, solidariedade, amizade, parentesco e história. Essa é a filosofia do projeto de extensão do IFPA – Campus Conceição do Araguaia – “Enriquecimento de quintais florestais”. O projeto é desenvolvido há 8 anos e já entregou mais de 5 mil mudas tanto na zona urbana quanto na zona rural do município, fortalecendo a agrobiodiversidade local. Entre as mudas encontram-se ingá, jatobá, jaca, ipê da mata, ipê branco e amarelo, amora, abacate, beribá, buriti, candeia da mata, murici, entre outros.

O projeto é coordenado pelo professor Paulo Spyer que conta com o apoio de mais 2 estagiários, do funcionário terceirizado mais conhecido como “Toim”, além da parceria importante da prefeitura municipal e Sindicato dos Trabalhadores Rurais (STR).

O objetivo do projeto é enriquecer os quintais agroflorestais que são áreas de produção, localizados próximo da casa, onde se cultiva uma variedade de espécies agrícolas e florestais, envolvendo também a criação de pequenos animais domésticos ou domesticados.

Há aproximadamente 900 mudas no Campus disponíveis à comunidade. Para ele, o projeto tem ajudado várias famílias a ter mais opções de alimentação em casa. “Percebi que os quintais em Conceição do Araguaia funcionam como ilhas de biodiversidade e com o projeto é possível contribuir para o fortalecimento de uma melhor alimentação, em quantidade, variedade e riqueza de nutrientes, especialmente as frutas”, pontuou o coordenador do projeto professor Paulo Spyer.

Segundo o professor Paulo Spyer, o projeto também prestou auxílio e consultoria a 20 produtores rurais que realizaram visitas a quintais agroflorestais com o objetivo de fazer observações e trocar experiências sobre a temática, cenriquecendo conhecimentos e buscando soluções aos problemas comuns enfrentados por eles.

Ainda segundo o professor Paulo Spyer, o projeto conta também com 70 mudas de ora-pro-nóbis para distribuição à comunidade. Ora-pro-nóbis, planta de nome científico Pereskia aculeata, frequentava as mesas do estado de Minas Gerais, especialmente das chamadas cidades históricas que foram povoadas no ciclo do ouro. Nos últimos anos, sua fama se esparramou, inclusive pelos benefícios à saúde. É considerada parte do time das plantas alimentícias não convencionais, as chamadas Pancs.

Embora haja um movimento pela sua valorização na cozinha, ele segue sendo bastante utilizado exclusivamente como cerca viva nos quintais Brasil afora. Além disso, atraem abelhas e se fazem essenciais para a produção de mel.
Futuramente, o coordenador do projeto quer promover um almoço com a comunidade e poder demonstrar algumas receitas com ora-pro-nóbis. Em especial, esse almoço será acompanhado com costelinha de porco.

“Assim como o rio Araguaia é feito de várias gotas de água, esse projeto é uma gota a mais nesse ‘Araguaia’ que temos aqui. É uma soma de esforços para o desenvolvimento dos nossos quintais agroflorestais, numa construção coletiva que gera sustentabilidade, segurança alimentar, além de emprego e renda. Quero agradecer as parcerias com a prefeitura, o sindicato dos Trabalhadores Rurais, ao diretor do Campus – professor Vítor Barbosa, que mesmo no período em que estive afastado do Campus, não deixou o projeto ‘morrer’, dando continuidade nas atividades e aos nossos alunos que acreditam que podemos fazer a diferença nessa região, cada um fazendo a sua parte”, concluiu Spyer.

(Viviane  Campos)

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar