Noticias

CASO IRENE: Manifestação pede a condenação do suposto agressor e o fim da violência doméstica

A história de Irene,  de 39 anos, quem contou ter passado 11 anos presa a um relacionamento onde sofria torturas psicológicas e físicas por parte do companheiro, comoveu a comunidade e deu início ao movimento “Somos todos Irene”, encabeçado por mulheres da sociedade e apoiado por lideranças de vários seguimentos, políticos, religiosos e empresariais.

No fim da tarde desta quinta-feira (14), em  Araguacema – TO, ocorreu uma  caminhada em  manifestação pela causa que teve  inicio em frente a  Delegacia, ao lado do presídio, e terminou em frente ao Fórum. Cerca de  150 pessoas  estavam presentes,  bem como a Polícia  Militar. O protesto foi pacífico.

Primeira-Dama de Araguacema -TO também esteve entre as mulheres da manifestação/ Foto: Pedro Ellian.

Pessoas de outras cidades da Região se deslocaram para participar, como Lucinéia Martins (Néia Salomão), apoiadora da causa e empresária na região, que afirmou:

“Não existe mulher que gosta de apanhar. Amor com violência é doença, e em briga de marido e mulher, se mete a colher sim. O que depender do nosso grupo, nós faremos o possível para erradicar e reduzir esses atos criminosos e ajudar mais Mulheres a serem libertas dessa crueldade”

Uma das lideranças desse  movimento, é a Agência de publicidade LUMIDS que irá produzir um documentário contando a história de Irene e como foi a mobilização da sociedade na busca por justiça, que culminou na prisão, preventiva até então, do suposto agressor.

Em Caseara – TO, na manhã do mesmo dia, mulheres ativistas, em grupo de cerca de 30 pessoas, também realizaram um protesto,  na Praça Central do Município, segundo a Agência Tocantins.

Irene está abrigada, na companhia dos filhos, enquanto aguarda pela condenação e punição do  investigado. Ela segue tomando remédios prescritos e espera a retirada dos fragmentos de bala alojados na cabeça.

(Amélia dos Santos, com edição da  Redação An10)

Leia também: Mulheres pedem justiça em caso bárbaro de violência doméstica em Araguacema – TO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo